A POLÍTICA SEGUNDO DONA LOURDES, DA PADARIA

Resultado de imagem para CAFE COM LEITE E PÃO NA CHAPA

Em uma prosa de quase uma hora com a Dona Lourdes, a atendente da padaria que me serviu um café com leite e um pão na chapa, tive acesso a um painel político todo particular.

Entre um cliente e uma passada de pano no balcão, ela sintetizou pontos importantes.

– Cabral é um safado que não precisava ter roubado tanto a ponto de levar o Rio de Janeiro, junto com outros políticos, para o buraco. Para a Dona Lourdes, ele poderia ter levado 50 reais por dia e ficaria bom para todo mundo, defendendo uma espécie de teto para ladroagem.

-Tiririca será nosso melhor candidato à presidência da República: é o único que não aparece em nenhum esquema de corrupção e foi considerado um bom funcionário.

-Romário é a sua mais nova decepção política: votou nele com a esperança de ver melhorias no atendimento às pessoas com deficiência e… nada. E agora, está envolvido em roubo também: “Não voto nele nunca mais”.

-Dilma não deveria ter saído: “No dia que ela perdeu o cargo, percebi que aquilo não foi justo. Até hoje não acharam dinheiro ilegal com ela”.

-Temer lhe causa repúdio, não consegue nem ouvir o que ele fala. Ainda mais depois dessa história da “aposentadoria caixão”. “É, menina, você se aposenta em um dia e no outro usa o dinheiro para comprar o caixão. Quem aguenta trabalhar pesado até os 70 anos e continuar vivo?”

-Eduardo Paes é um safado, e ela se gaba ao dizer que sabia disso bem antes de todo mundo. A prima da irmã do cunhado que trabalha numa firma que presta serviço para ele já havia alertado sobre o seu caráter: “Por isso não votei nele”.

-Nesse mesmo critério de avaliação política, Crivella é adorado por ela: “A cunhada de uma melhor amiga que trabalha como recepcionista de um lugar que ele frequenta disse que ele é a melhor pessoa do mundo. Votei nele e estou confiante”.

Infelizmente eu tenho que ir.
Dona Lourdes encerra o papo dizendo:

“Olha, menina, não sou estudada, mas adoro acompanhar esses assuntos de política.
Assisto tudo pela televisão. Pela ‘Globo Nísse’”.

Anúncios